Entenda como funciona o teste do coronavírus

por Equipe Danone Nutricia 20 de abril de 2020 5 minutes

Para fazer o teste, é preciso coletar uma amostra do nariz ou faringe do paciente

Durante a pandemia de coronavírus, pessoas que apresentam sintomas graves do coronavírus devem fazer o teste para diagnosticar a doença. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o ideal seria testar todo caso suspeito. Mas como o Brasil não possui kits suficientes, os exames ficam reservados a pacientes internados, por exemplo.

Mas como funciona o teste do coronavírus? Será que ele é muito complexo? Entenda:

como funciona o teste do coronavírus

Instituto Butantan explica que, usando um swab (uma espécie de haste flexível com um algodão na ponta), o profissional de saúde coleta secreções do nariz ou faringe do paciente. Se a pessoa estiver infectada, o material coletado conterá o vírus SARS-CoV-2, que causa a Covid-19. 

Em um laboratório, o material é catalogado com as informações do paciente e, em seguida segue para a análise, onde é dividido em duas partes: a primeira é efetivamente analisada, enquanto a segunda é armazenada como contraprova (amostra utilizada para corroborar ou não o resultado do primeiro teste). 

Para entender se a primeira mostra possui o coronavírus, extrai-se uma amostra de RNA, o material genético do vírus. A partir do RNA isolado, extrai-se uma fita de DNA complementar, que é multiplicada. Quando essa pequena parte de material genético atinge milhões de cópias, ela se torna detectável por sondas fluorescentes, indicando que se trata do vírus causador da COVID-19. 

Portanto, quando o ácido nucléico retirado da amostra de uma pessoa pode ser amplificado milhões de vezes, ela está com o coronavírus. De acordo com o Instituto Butantan, o teste pode levar de duas a cinco horas, dependendo da metodologia utilizada.

teste rápido do coronavírus

O teste rápido do coronavírus utiliza outra metodologia. Segundo o Ministério da Saúde, ele deve ser feito entre o sétimo e décimo dia do surgimento dos sintomas, coletando-se uma gota de sangue do paciente -- geralmente uma picadinha no dedo é suficiente para a coleta, como ocorre nos testes de medição da glicose. 

A partir desta gota, é possível detectar a presença de anticorpos no sangue, defesas produzidas pelo corpo contra o vírus. Como o próprio nome diz, os resultados saem rapidamente, entre 15 e 30 minutos.

A multinacional brasileira Vale adquiriu cinco milhões de testes, que foram doados ao Ministério da Saúde. As primeiras 500 mil unidades já estão no Brasil e serão utilizadas para testar profissionais da área de saúde, assim como agentes de segurança, policiais, bombeiros e guardas civis que estejam com sintomas da COVID-19. A ideia é permitir que os indivíduos que testem negativo para o vírus voltem ao trabalho.

 

Referências:

Governo do Estado de São Paulo. Secretaria de Estado da Saúde. Perguntas e respostas: tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

Ministério da Saúde. Brasil inicia a distribuição de 500 mil testes rápidos.

Instituto Butantan. Como funciona o teste para o coronavírus.

LEIA MAIS