Por que doenças preexistentes são fator de risco para o coronavírus?

por Equipe Danone Nutricia 20 de abril de 2020 5 minutes

Doenças como câncer, diabetes e problemas do coração podem aumentar os riscos de sintomas graves do coronavírus

Desde o início da epidemia de coronavírus na China, sabe-se que idosos e pessoas com condições de saúde pré-existentes, como doenças cardíacas e diabetes, parecem compor os principais grupos de risco da doença.

Basicamente, todos estamos sujeitos à infecção pelo SARS-CoV-2, vírus causador da COVID-19. Mas a gravidade dos sintomas parece ser maior entre as pessoas que compõem o grupo de risco -- o que não é uma regra, mas uma uma tendência identificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). 

 

coronavírus e doenças preexistentes

Segundo o Escritório Federal de Saúde Pública da Suíça (FOPH), pessoas com as seguintes condições de saúde têm maior risco de apresentar sintomas graves:

  • Doenças cardiovasculares

  • Doenças respiratórias crônicas, como asma e bronquite

  • Condições e terapias que enfraquecem o sistema imunológico

  • Diabetes

  • Pressão alta

  • Câncer

A principal razão por trás da relação entre coronavírus e doenças pré-existentes tem a ver com as defesas do organismo, que geralmente não são tão eficientes quando o corpo já enfrenta uma comorbidade. 

As infecções virais demandam maior metabolismo do organismo, que precisam de mais energia para combater o invasor e curar. Se a imunidade já estiver comprometida, como pode ser o caso de pessoas com diabetes, portadores de HIV não tratados ou pacientes em quimioterapia, o corpo terá menos energia para lutar contra a infecção.

As pessoas com problemas respiratórios também fazem parte do grupo de risco porque o coronavírus é uma infecção respiratória que pode provocar insuficiência respiratória. Indivíduos que têm asma, por exemplo, podem ter o pulmão mais fraco. Assim, quando infectadas pelo SARS-CoV-2, têm mais chances de apresentar problemas pulmonares e respiratórios.

Por fim, pessoas com doenças cardiovasculares e pressão alta também têm maior risco quando infectadas pelo vírus porque, para combatê-lo, o corpo precisa que o coração e todos os vasos trabalhem de forma eficaz. A infecção pode exigir ainda mais do sistema cardiovascular, já comprometido pelas condições preexistentes, o que coloca esses indivíduos entre os principais acometidos por sintomas graves.

o que fazer se tenho condições de saúde preexistentes?

Pessoas que têm condições de saúde preexistentes devem seguir as mesmas recomendações de prevenção que os demais, como lavar frequentemente as mãos com água e sabão e respeitar o isolamento social, evitando sair de casa o máximo possível. 

Nesse caso, o indicado é pedir ajuda a um parente ou amigo para comprar os mantimentos necessários, reduzindo ao mínimo a exposição ao vírus.

Além disso, é importante seguir tratando a condição de acordo com o recomendado com o médico. Caso surjam sintomas como febre alta, tosse e falta de ar, deve-se entrar em contato com o serviço de saúde da região.

 

Referências:

Centers for Disease Control and Prevention. People Who Are at Higher Risk for Severe Illness

Federal Office of Public Health FOPH. New coronavirus: People at especially high risk

World Health Organization. Coronavirus disease 2019 (COVID-19) Situation Report – 51

 

LEIA MAIS