Náuseas e vômitos: suplementos ajudam a nutrição durante a quimioterapia

por Equipe Danone Nutricia 02 de fevereiro de 2021 5 minutes

O uso de suplementos orais pode ser recomendado para apoiar as necessidades nutricionais durante a quimioterapia e amenizar os efeitos indesejados

Segundo estudo publicado em 2014 pela Universidade de Coimbra, em Portugal, cerca de 85% dos pacientes oncológicos apresentam má nutrição, o que afeta sua qualidade de vida, mortalidade e morbilidade. Os pesquisadores afirmam que o uso de suplementos pode contribuir para a melhora do estado nutricional e, por consequência, para o sucesso do tratamento.

Isso porque, quando se tem câncer, o consumo de quantidades adequadas de calorias e proteínas é essencial para o corpo se recuperar. É tão importante que a ingestão inadequada pode impedir a pessoa de completar o plano prescrito e afetar o resultado do tratamento.

como a quimioterapia prejudica o corpo

A quimioterapia consiste na aplicação de produtos químicos ou biológicos no corpo para destruir as células cancerígenas, respeitando de forma mais ou menos adequada as células normais. A aplicação pode ser feita por via oral, ingerindo um medicamento na forma de comprimidos, ou intravenosa, por meio de injeções, ou até mesmo na pele na forma líquida ou de pomadas.

Dependendo da toxicidade do tratamento e do grau de comprometimento dos tecidos sadios, a quimioterapia pode provocar os famosos efeitos adversos no corpo, incluindo os de impacto nutricional. Para algumas pessoas, os sintomas são leves ou não incomodam tanto, mas outras acabam interrompendo o tratamento.

sintomas de impacto nutricional da quimioterapia

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) lista os efeitos indesejáveis da quimioterapia e como reagir a eles: 

Fraqueza: A pessoa deve evitar esforço excessivo e descansar mais. Para isso, pode ser necessário dividir as atividades caseiras com outra pessoa, combinar um horário reduzido de trabalho e receber ajuda com as refeições, já que nem sempre haverá disposição e vontade de cozinhar. Mas se não se alimentar adequadamente, terá ainda menos energia e o tratamento será prejudicado.

Diarréia: Para combater a diarréia, o médico poderá prescrever medicamentos próprios e o consumo de líquidos e alimentos como arroz, queijo, ovos cozidos, purês e bananas, que ajudam a segurar o intestino. Se a diarréia for intensa, o nutricionista também poderá recomendar o uso de suplementos alimentares para compensar a perda de nutrientes e calorias.

Enjôo: Para lidar com o enjoo, deve-se comer em pequenas quantidades e com mais frequência. Balas à base de hortelã, água mineral gelada com limão, bebidas com gás e sorvetes ajudam a aliviar o desconforto.

Vômitos: Para evitar vômitos constantes, o indicado é evitar alimentos com muito tempero ou muito gordurosos, e bebidas alcoólicas. O médico irá recomendar remédios para enjôo e vômito. É bom fazer refeições leves antes da aplicação de quimioterapia.

Feridas na boca: Para minimizar os efeitos, deve-se manter a boca limpa, enxaguando com água filtrada e uma colher de chá de bicarbonato. Pode ser necessário, a partir da recomendação médica, evitar o uso de escovas de dente e próteses dentárias.

Perda de peso: A perda de peso pode ocorrer como consequência dos enjoos, vômitos, feridas na boca e falta de disposição. Por isso, o acompanhamento com nutricionista é fundamental ao longo de todo o tratamento. Ele poderá sugerir a dieta adequada para manutenção do peso, como alimentos como gemadas, queijo, massas, carnes e suplementos alimentares.

uso de suplementos para apoiar a nutrição

Para prevenir e lidar com os impactos nutricionais da quimioterapia, o nutricionista irá elaborar um cardápio personalizado, o que muitas vezes inclui o uso de suplementos orais elaborados especialmente para essa condição.

Vitaminas e minerais com propriedades antioxidantes, por exemplo, protegem contra os efeitos adversos da quimioterapia. Tais nutrientes, assim como proteínas e fibras, ajudam a manter o peso, a dar energia e a manter o organismo forte e saudável para receber o tratamento, combater a doença e se recuperar.

É importante, também, controlar o peso semanalmente. Caso diminua, é preciso informar o profissional de saúde que faz o acompanhamento do caso. 

Cuidar da nutrição é fundamental. Além de aumentar as chances de vencer a doença, dá mais disposição para enfrentar o tratamento que pode ser longo e cansativo. 

 

Referências:

Ana Teresa Gantes Padrão. Quimioterapia e Nutrição. Dissertação de Mestrado em Medicina. Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Abril 2014. 

Alberda, Cathy, Andrea Graf, and Linda McCargar. "Malnutrition: etiology, consequences, and assessment of a patient at risk." Best practice & research clinical gastroenterology 20.3 (2006): 419-439.

 Volkert, Dorothee, et al. "ESPEN guidelines on enteral nutrition: geriatrics." Clinical nutrition 25.2 (2006): 330-360. 

Hegazi, Refaat A., and Paul E. Wischmeyer. "Clinical review: optimizing enteral nutrition for critically ill patients-a simple data-driven formula." Critical Care 15.6 (2011): 234.

American Cancer Society. How Is Chemotherapy Used to Treat Cancer? 

Instituto Nacional de Câncer. O que é quimioterapia?

LEIA MAIS