O RECEIO POR TRÁS DO ENVELHECIMENTO

por Equipe Danone Baby 02 de dezembro de 2021 8 minutes

À medida que as pessoas envelhecem, elas têm receios. O receio maior é de perder a sua capacidade física, funcional, ou a sua capacidade cognitiva (mental). Se tornar dependente, do aspecto físico ou cognitivo, é o que as pessoas mais temem. Às vezes elas temem a finitude, pois ninguém está preparado para morrer.

É difícil o processo da morte, que está imbuído de fatores culturais. No Brasil, isso é muito forte, porque nem o paciente e nem o profissional da saúde, em particular o médico, foram treinados ou ensinados a falar da morte – é o que chamamos de conspiração do silêncio.

Mas há mecanismos que podemos utilizar ao longo da vida, para que sejamos mais resilientes: o pianista Arthur Rubinstein, faleceu com mais de 89 anos, e até o final de sua vida, foi convidado a dar recitais no mundo afora. Uma jornalista o questionou sobre como se manter por tanto tempo virtuoso e ativo, e ele disse: “eu agora diminuí o meu repertório, treino mais e escolho peças que não me demandem tanta energia física. Assim eu dou conta”. Mecanismos de compensação para continuar no topo. Você compensa determinadas perdas. Porém, agora com essa idade, tenho algo a mais, que me faltava quando tinha 30 anos: a experiência e resiliência para responder bem ao processo de envelhecimento, mantendo minha qualidade de vida à medida que envelheço.

Nós temos que pensar que, com o envelhecimento, as pessoas tem que se adaptar a determinadas perdas: status, finança, capacidade funcional e física para executar tarefas, oportunidades de participar integralmente da sociedade;

Para que tudo isso seja possível, deve-se pensar nas políticas públicas, para que essa pessoa tenha a oportunidade para envelhecer bem; senão você acaba culpando a vítima, para aquele que não teve a oportunidade de se prevenir, se cuidar, criar seu pé de meia, aprender a todo instante, de se reinventar.

Nós temos um excelente estatuto do idoso – vamos colocá-lo em prática! E que não seja apenas um belo documento acumulando poeira na estante.