Doenças autoimunes

O que são doenças autoimunes e quais as mais recorrentes

por Equipe Danone Nutricia 22 de novembro de 2021 5 minutos

Lúpus, esclerose múltipla e doença celíaca são doenças autoimunes, que ocorrem quando o sistema imunológico ataca o próprio corpo

O nosso sistema imunológico tem uma função importante: identificar agentes invasores e combatê-los, impedindo que a gente fique doente. Às vezes, sua capacidade de distinguir entre o que é prejudicial e o que não é falha, provocando as doenças autoimunes. 

Geralmente, o sistema imunológico protege o organismo contra agentes invasores, como bactérias e vírus. Ao detectar esses invasores envia um exército de anticorpos para atacá-los, permitindo que o corpo combata a infecção e se recupere.

Quando ocorre uma falha no sistema, o sistema imune pode confundir parte do organismo com um agente estranho e atacá-lo. Assim, as doenças autoimunes ocorrem literalmente quando o corpo ataca a si próprio. 

Algumas doenças autoimunes, como o diabetes tipo 1, atingem apenas uma parte do corpo, neste caso, o pâncreas. Outras provocam sintomas em todo o organismo, como é o caso da lúpus. 

 

Por que o sistema imune ataca o corpo?

Os médicos não sabem exatamente o que causa a falha no sistema que provoca um ataque do corpo contra si mesmo. No entanto, algumas pessoas têm mais probabilidade de desenvolver doenças autoimunes. 

Um estudo de 2014 feito por pesquisadores da Universidade Nacional da Austrália, por exemplo, concluiu que mulheres apresentam essas condições a uma taxa de 2 para 1 em relação aos homens. Frequentemente, elas ficam doentes durante os anos férteis, especialmente dos 15 aos 44 anos. 

Doenças autoimunes também podem ter fundo genético. O que é interessante, no entanto, é que duas pessoas da mesma família não precisam necessariamente apresentar a mesma condição. Isso significa que a avó pode apresentar esclerose múltipla e a neta lúpus, por exemplo. Então, a herança nesse caso foi a suscetibilidade a apresentar uma doença autoimune, e não condição específica. 

Há, ainda, hipóteses de que certas doenças autoimunes sejam mais recorrentes entre determinados grupos étnicos, como o lúpus, que afeta mais afro-americanos e hispânicos, segundo a Fundação Americana de Lúpus. 

 

As principais doenças autoimunes

Os cientistas conhecem mais de 80 doenças autoimunes hoje. Algumas são bastante conhecidas, como diabetes tipo 1, esclerose múltipla, lúpus e artrite reumatóide, enquanto outras são mais raras e difíceis de diagnosticar. 

Geralmente, sintomas como fadiga, dor e inchaço nas articulações, problemas de pele, dor abdominal, problemas digestivos, febre recorrente e glândulas inchadas podem apontar para a presença de uma doença autoimune. O próximo passo será, então, tentar identificá-la. 

Saiba mais sobre as doenças autoimunes mais recorrentes:

Lúpus

O Lúpus é uma doença crônica que pode causar inflamação e dor em qualquer parte do corpo. A pele, as juntas e os órgãos internos, como rins e coração, costumam ser os principais afetados pelos sintomas. Mulheres na faixa etária dos 15 aos 44 anos, afro-americanos e latinos, assim como pessoas que possuem familiares com outras doenças autoimunes, estão em maior risco de desenvolver a doença. 

O diagnóstico de lúpus pode ser desafiador, já que não existe um único teste que possa dar aos médicos uma resposta “sim” ou “não”.  Às vezes, pode levar meses - ou até anos - para reunir todas as informações corretas, como em um quebra-cabeça. O médico irá examinar os sintomas, histórico médico, histórico familiar e alguns testes de laboratório, como sangue, anticorpos e urina.

O tratamento da lúpus é focado no manejo dos sintomas, na proteção dos órgãos contra danos e no controle do sistema imunológico, para que não ataque o corpo. Geralmente, uma combinação de medicamentos é adotada de acordo com o caso. 

Esclerose múltipla

A esclerose múltipla afeta o cérebro e a medula espinhal. O sistema imunológico ataca a bainha de mielina, membrana que envolve e isola as fibras nervosas responsáveis pela condução dos impulsos elétricos no cérebro, na medula espinhal e nos nervos ópticos. Os ataques provocam inflamações, responsáveis pelos surtos ou episódios -- ou seja, quando os sintomas se manifestam, na maioria dos casos. 

A doença pode provocar uma gama de sintomas, como problemas de visão, tontura, dormência, dor e formigamento nos membros, problemas musculares, problemas intestinais e cognitivos. 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), os sinais da doença são tão diversos que o diagnóstico errado ou tardio ocorre com frequência. Diversos testes clínicos ajudam a diagnosticar a condição, como a ressonância magnética do encéfalo, onde podem existir lesões características da doença no cérebro. Também é preciso realizar exames de sangue para descartar a presença de doenças que provocam sintomas similares, como a infecção por HIV e a deficiência de vitamina B12.

Uma vez diagnosticada a esclerose múltipla, o tratamento envolve o uso de medicamentos e mudanças no estilo de vida, como prática de atividades físicas e, em alguns casos, acompanhamento com neurologistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos e terapeutas.

Artrite reumatoide

A artrite reumatoide é uma doença autoimune que afeta as articulações de forma irreversível e pode trazer sérias implicações para a qualidade de vida, gerando deformidades que podem comprometer a capacidade de realizar movimentos. Além das manifestações articulares, a doença pode afetar múltiplos órgãos internos e reduzir a expectativa de vida. Ela é mais frequente em mulheres na faixa etária de 30 a 50 anos.

Segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), os sintomas mais comuns são dor, edema, calor e vermelhidão em qualquer articulação do corpo, sobretudo mãos e punhos. O diagnóstico é solicitado de acordo com os sintomas, mas pode incluir a realização de exames para detectar anticorpos específicos.

Também segundo a SBR, o tratamento é medicamentoso, geralmente com anti-inflamatórios, e varia de acordo com o estágio e gravidade da doença.

Diabetes tipo 1

O diabetes tipo 1 é uma doença diagnosticada geralmente na infância, na qual o pâncreas para de produzir insulina indefinidamente. A insulina deve ser produzida para metabolizar a glicose presente no açúcar ingerido pelo corpo, gerando energia. Quando há uma falha nessa produção, os níveis de glicose no sangue ficam altos, o que pode danificar os rins, os nervos, a visão, a audição e aumentar os riscos de doenças cardiovasculares.

Segundo o Centro de Prevenção e Controle de Doenças, nos Estados Unidos, os sintomas da diabetes tipo 1 podem incluir sede constante, vontade frequente de urinar, formigamento nas pernas e pés, feridas que demoram a cicatrizar e presença de fungos nas unhas. O diagnóstico é realizado por um simples exame de sangue.

Já o tratamento envolve a aplicação de doses de insulina diariamente por meio de injeções, assim como a adoção de uma dieta saudável, prática de exercícios, controle da pressão arterial e do colesterol. 

Doença celíaca

A doença celíaca também é uma condição autoimune. Ela ocorre quando o corpo ataca o próprio intestino delgado, como resposta ao consumo de glúten, uma proteína encontrada no trigo, aveia, cevada, centeio e seus derivados. 

Os principais sintomas se manifestam ainda na infância e podem incluir diarreia, prisão de ventre, dor abdominal, inchaço na barriga, falta de apetite, perda de peso, desnutrição e, em casos graves, anemia e osteoporose.

Diversos exames são feitos para diagnosticar a doença celíaca. Além da avaliação dos sintomas, o médico poderá solicitar uma endoscopia, para colher uma biópsia do intestino, assim como exames de sangue, que identificam a presença de anticorpos no sangue. O profissional de saúde também poderá sugerir a adoção de uma dieta restritiva, sem glúten, para observar se os sintomas diminuem.

O principal tratamento para a doença celíaca é cortar totalmente o glúten da dieta. Quando é excluído da alimentação, os sintomas vão embora. Parece simples, mas a dieta precisa ser rigorosa, e conviver com tais restrições nem sempre é fácil. 

 

Referências:

Web Medial Team. What are autoimmune diseases? Disponível em: 
webmd.com/a-to-z-guides/autoimmune-diseases

Harvard Health Publishing - Harvard Medical School. What’s the deal with autoimmune disease? Disponível em: https://www.health.harvard.edu/diseases-and-conditions/whats-the-deal-with-autoimmune-disease

National Institute of Environmental Health Sciences. Autoimmune Diseases. Disponível em: 
https://www.niehs.nih.gov/health/topics/conditions/autoimmune/index.cfm

U.S. Department of Health & Human Services. Autoimmune Diseases. Disponível em: 
https://www.womenshealth.gov/a-z-topics/autoimmune-diseases

John Hopkins Medicine. What Are Common Symptoms of Autoimmune Disease?. Disponível em: 
https://www.hopkinsmedicine.org/health/wellness-and-prevention/what-are-common-symptoms-of-autoimmune-disease

Healthline. Autoimmune Diseases: Types, Symptoms, Causes, and More. Disponível em: 
https://www.healthline.com/health/autoimmune-disorders#causes

Scott M. Hayter, Matthew C. Cook, Updated assessment of the prevalence, spectrum and case definition of autoimmune disease, Autoimmunity Reviews, Volume 11, Issue 10, 2012, Pages 754-765. Disponível em: 
https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1568997212000225?via%3Dihub

Lupus Foundation of America. Treating lupus: a guide. Disponível em: 
https://www.lupus.org/resources/treating-lupus-guide

World Health Organization. Multiple Sclerosis. Geneva, 2001. Disponível em: 
https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/42394/924156203X_en.pdf

National Multiple Sclerosis Society. Multiple Sclerosis: Just The Facts. Disponível em: 
https://www.nationalmssociety.org/nationalmssociety/media/msnationalfiles/brochures/brochure-just-the-facts.pdf

Centers for Disease Control and Prevention. What is Type 1 Diabetes? Disponível em: 
https://www.cdc.gov/diabetes/basics/what-is-type-1-diabetes.html

Comissão Nacional de Incorporação Nacional de Tecnologias no Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde atualiza PCDT para artrite reumatoide. Disponível em: 
http://conitec.gov.br/ultimas-noticias-3/ministerio-da-saude-atualiza-pcdt-para-artrite-reumatoide#:~:text=A%20artrite%20reumatoide%20%C3%A9%20uma,a%20capacidade%20de%20realizar%20movimentos.

Sociedade Brasileira de Reumatologia. Artrite reumatoide. Disponível em: 
https://www.reumatologia.org.br/doencas-reumaticas/artrite-reumatoide/

Ministério da Saúde. Doença celíaca. Disponível em: 
http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2061-doenca-celiaca

World Gastroenterology Organisation Global Guidelines. Doença celíaca. Disponível em: 
https://www.worldgastroenterology.org/UserFiles/file/guidelines/celiac-disease-portuguese-2016.pdf

LEIA MAIS