Atividades cognitivas simples previnem a perda de memória: veja dicas

por Equipe Danone Baby 04 de fevereiro de 2020 5 minutes

Atividades divertidas, como ler e escutar música, podem ser benéficas para a memória e a concentração

Você anda esquecendo o nome das pessoas e as datas do compromisso? Atividades simples do dia a dia podem ajudar na manutenção da memória, como ler livros ou escutar música. Mas para obter bons resultados, é preciso praticá-las com frequência. 

O cérebro está envolvido em absolutamente tudo o que fazemos. Por isso, precisamos exercitá-lo, assim como o resto do corpo. Exercícios para o órgão pode aprimorar a memória, a concentração, o raciocínio e assim por diante -- principalmente quando ficamos mais velhos. 

No entanto, pessoas de qualquer idade podem se beneficiar dos exercícios para o cérebro. Veja quais são eles:

Leitura de livros: Ler pode ser um exercício valioso para o cérebro. Quando lemos, o sangue flui para diversas áreas associadas à concentração e, no caso de uma leitura mais crítica, também para áreas menos ativas do órgão. 

Um estudo realizado nos Estados Unidos concluiu que a leitura afeta o cérebro e, por meio dela, podemos treiná-lo para ser cada vez melhor em atividades que exigem compreensão e concentração, o que a torna essencial para a manutenção da nossa memória. 

Escutar música: A atividade pode alterar a estrutura e a função cerebral. Um estudo realizado na Finlândia concluiu que escutar música clássica aumenta a atividade dos genes envolvidos na secreção de dopamina (que tem importante papel na Doença de Alzheimer), na neurotransmissão sináptica (responsável pela comunicação entre os neurônios), na aprendizagem e na memória. 

Além disso, escutar música contribui também de forma positiva para retardar ou prevenir o desenvolvimento de doenças neurodegenerativas, como demência senil e Parkinson. Isso ocorre pois ouvir música clássica deixa ativo os genes envolvidos na degeneração do cérebro e do sistema imunológico.

Exercícios de respiração: Um estudo realizado na Índia analisou o efeito da respiração na variabilidade da frequência cardíaca, no bem-estar geral, na cognição e nos níveis de ansiedade. Ele comprovou uma melhora significativa na cognição, na sensação subjetiva de bem-estar geral e ansiedade.

O estudo também demonstrou que a prática de exercícios de respiração, diariamente, por seis semanas, melhora a cognição, ansiedade e bem-estar geral e aumenta a atividade parassimpática. Portanto, vamos respirar e prestar atenção na nossa respiração.

A adoção de outras práticas, como fazer contas de cabeça, aprender a tocar um novo instrumento; aprender uma nova língua, jogar cartas, fazer quebra-cabeças e aprender uma nova habilidade também ajudam a exercitar o cérebro. Escolha o seu novo passatempo!

Referências

1 - Dehaene, Stanislas, et al. "How learning to read changes the cortical networks for vision and language." science 330.6009 (2010): 1359-1364. 

2 - Kanduri C, Raijas P, Ahvenainen M, Philips AK, Ukkola-Vuoti L, Lähdesmäki H, Järvelä I. (2015) The effect of listening to music on human transcriptome. PeerJ 3:e830 https://doi.org/10.7717/peerj.830

3 - Chandler, S. S., et al. "Effect of short-term practice of pranayamic breathing exercises on cognition, anxiety, general well being and heart rate variability." Journal of the Indian Medical Association 111.10 (2013): 662-665. 

LEIA MAIS