As principais deficiências nutricionais entre idosos

por Equipe Danone Nutricia 11 de novembro de 2020 5 minutes

deficiência de cálcio, proteína e vitaminas são mais recorrentes entre idosos

Idosos estão particularmente sujeitos a desenvolver deficiências nutricionais por uma série de motivos físicos, psicológicos e econômicos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), muitas dessas doenças são resultado de hábitos alimentares adotados desde a infância. A dieta inapropriada se torna mais prejudicial ao corpo conforme envelhece e sofre mudanças.

Por que deficiências nutricionais são mais comuns entre idosos?

Durante o envelhecimento, o apetite diminui, assim como os níveis de disposição e atividade. Além disso, muitos idosos podem ter renda limitada, o que interfere na compra de alimentos saudáveis e de qualidade. O uso de alguns medicamentos também podem dificultar a absorção de certas vitaminas e minerais essenciais para o organismo.

A perda da capacidade de absorção de certas vitaminas e minerais pelo corpo é, inclusive, uma das consequências do envelhecimento, assim como problemas de mastigação e de digestão.

A desnutrição silenciosa, uma condição que ocorre com mais frequência entre idosos, está relacionada a diversos fatores, como:

  • Diminuição do número de papilas gustativas e da sua eficácia, bem como a diminuição da secreção da saliva. Dessa forma, observa-se frequentemente a perda de apetite, porque os receptores gustativos e olfativos têm sua função diminuída.

  • Diminuição da motilidade do trato digestivo, provocando uma lentidão do esvaziamento gástrico e, consequentemente, o aumento da saciedade, o que pode comprometer a ingestão de nutrientes e levar à desnutrição;

  • Alterações na percepção sensorial e diminuição da sensibilidade à sede podem interferir diretamente no consumo alimentar, podendo provocar até mesmo um quadro de anorexia, que é a principal causa de desnutrição no idoso.

  • Depressão: os sintomas depressivos estão relacionados a componentes emocionais e biológicos, como aflição, apatia, baixa autoestima, perda da libido, distúrbio do sono, perda do apetite, entre outros. A saúde mental é indispensável para o bem-estar geral do indivíduo e, portanto, o diagnóstico de depressão e a correta terapia se tornam de extrema importância para os idosos. O estado emocional depressivo pode levar à redução da ingestão alimentar de forma extrema, contribuindo para o surgimento da desnutrição.

  • Saúde bucal: a perda dos dentes e outros problemas na cavidade oral podem causar dor e dificuldade para mastigar e deglutir, estando também associados à desnutrição.

Quais os impactos das deficiências nutricionais no envelhecimento?

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), muitas das doenças enfrentadas pelos idosos estão relacionadas à problemas de nutrição. Gordura em excesso, por exemplo, pode estar associada ao câncer de cólon, pâncreas e próstata. Aumento da pressão arterial, lipídios no sangue e intolerância à glicose têm papel importante no desenvolvimento de doenças cardíacas coronárias. Todas essas condições podem estar relacionadas à má alimentação.

Veja quais são as principais deficiências nutricionais entre idosos e quais suas consequências:

Principais deficiências nutricionais entre idosos

Cálcio e vitamina D
O cálcio constrói ossos fortes e saudáveis. Portanto, a sua deficiência pode provocar condições como a osteoporose. Começamos a perder densidade óssea já a partir dos 30 anos. Portanto, é importante prestar atenção ao consumo de fontes do nutriente, como leite e laticínios, desde cedo. Cereais fortificados, sucos de frutas, vegetais de folhas verdes escuras e certos tipos de peixes gordurosos também são boas fontes de cálcio.

Já a vitamina D é necessária para que o corpo absorva cálcio e fósforo, aumentando a absorção desses sais minerais no intestino e promovendo o crescimento dos ossos. A luz solar é a principal forma de ativar a vitamina D no organismo. Mas ela também pode ser encontrada em alimentos – como peixes gordurosos, leite, ovos e fígado bovino – e em suplementos. 

Vitamina B12
Adultos mais velhos podem ter dificuldades para absorver vitamina B12 em quantidades suficientes ao organismo. Ela é necessária para manter o metabolismo do sistema nervoso e as células vermelhas do sangue saudáveis, além de reduzir o risco de danos ao DNA. A vitamina B12 pode, ainda ter papel na saúde dos músculos, o que é essencial no envelhecimento, quando o adulto começa a perder massa muscular.

Cereais fortificados, carnes magras, peixes como o salmão e frutos do mar são fontes de vitamina B12. Se necessário, o médico pode indicar um suplemento para garantir a ingestão de quantidades adequadas.

Magnésio

O magnésio participa de muitos processos corporais, como a regulação da glicose e da pressão arterial. Ele é encontrado em muitas fontes de alimentos vegetais e animais, especialmente em folhas verdes escuras, nozes e sementes.

Potássio
Consumir potássio em quantidades suficientes pode diminuir o risco de pressão alta. Frutas, vegetais, feijões e laticínios com pouca ou nenhuma gordura podem ser boas fontes do nutriente. Além disso, é importante limitar a ingestão de sal.

Vitamina C
Tal vitamina desempenha um papel na absorção de proteínas, bem como na criação do tecido conjuntivo, fundamental para a cicatrização de feridas. Ela também ajuda a conter antioxidantes que podem combater doenças como o câncer. Frutas e legumes de cores vivas são as melhores fontes, como laranja, tomate e pimentão.

Vitamina E
A vitamina E possui qualidades antioxidantes que permitem combater radicais livres, relacionados a doenças como catarata, Alzheimer e vários tipos de câncer. Ela também dá suporte ao funcionamento do sistema imunológico. Pode ser encontrada em nozes, sementes e óleo de girassol. 

Vitamina B6
Assim como as demais vitaminas do grupo B, a B6 desempenha muitas funções no corpo, principalmente na absorção de proteínas e na função cognitiva. As fontes mais ricas do nutriente são peixes, batatas, vegetais ricos em amido e carnes como fígado. 

Proteína
A proteína é um nutriente fundamental para a saúde de músculos e ossos. Entre idosos, a deficiência do nutriente pode provocar fraqueza muscular, redução da massa magra, entre outros problemas. As principais fontes são carnes, peixes, ovos, feijões e leguminosas. 

Ferro
O ferro é um componente da hemoglobina, responsável pelo transporte de oxigênio pelo sangue. A sua deficiência pode causar anemia. Carnes vermelhas, feijão e verduras de cor verde escura são as principais fontes. 

Estabelecer um plano de alimentação adequada é o primeiro passo para assegurar que as necessidades nutricionais do idoso sejam atendidas. Porém, como diversas condições de saúde, econômicas, psicológicas e sociais podem estar entre as causas do problema, é preciso identificá-las e tratá-las. Consulte o médico para preveni-las e lidar com elas.

 

Referências:

Academy of Nutrition and Dietetics. Special Nutrient Needs of Older Adults.

Haute Autorité de Santé (HAS) - Nutritional support strategy for protein-energy malnutrition in the elderly (April 2017).

Hoffman R. Micronutrient deficiencies in the elderly - could ready meals be part of the solution?. J Nutr Sci. 2017;6:e2. Published 2017 Jan 12. doi:10.1017/jns.2016.42 

World Health Organization. Nutrition for older persons

LEIA MAIS