Fome oculta em idosos: quando a má nutrição não dá sinais

por Equipe Danone Nutricia 31 de agosto de 2020 5 minutes

Fome oculta é a carência de um ou mais nutrientes sem que haja sinais visíveis

A má nutrição nem sempre apresenta sinais físicos, como uma brusca perda de peso ou ossos em evidência. A fome oculta é o termo utilizado para definir a carência de um ou mais micronutrientes, principalmente vitaminas e minerais, sem que isso se torne perceptível.

A fome oculta pode causar cansaço, sonolência, dificuldade de concentração, instabilidade de humor e queda de imunidade. Tudo vai depender do nutriente em baixa. Estima-se que uma em cada quatro pessoas tenha o problema.

Na maioria das vezes, no entanto, os sinais da fome oculta aparecem na forma de doenças, quando a deficiência dos nutrientes já atingiu um estado mais grave. Os idosos estão mais propensos a apresentar a condição devido às alterações fisiológicas e comportamentais próprias da idade e que se refletem na alimentação, tornando-a monótona e insuficiente.

Dentre elas, podemos destacar:

● Problemas de deglutição: dificuldade para engolir alimentos sólidos;

● Perda ou diminuição do paladar e do olfato, o que reduz o interesse e o apetite do idoso;

● Falta de dentes ou uso de próteses antigas ou mal ajustadas, o que dificulta a mastigação de determinados alimentos;

● Uso de medicações que podem causar efeitos colaterais, como problemas gástricos (gastrite ou azia) ou que influenciam o apetite;

● Problemas psicológicos como depressão, tristeza e solidão;

● Preferência por alimentos de mais fácil preparo e consumo; via de regra pobres em vitaminas, minerais e proteínas e ricos em açúcares e gorduras.

O idoso com deficiências nutricionais sofre diversas consequências, como alterações de peso, maior probabilidade de adquirir infecções, sinais de cansaço, mobilidade normal prejudicada e, por consequência, pior qualidade de vida.

como evitar a fome oculta no idoso

Conforme envelhecemos, fica mais difícil mudar certos hábitos e principalmente a rotina. Assim, para evitar a fome oculta ou a deficiência de nutrientes, é preciso incentivar uma alimentação mais variada e saudável, que deverá ser gradual e constante.

Aumentar o consumo de micronutrientes chave, como vitaminas A, C, D, E e B, cálcio, zinco, magnésio, potássio e ômega 3, é uma boa forma de manter a saúde durante o envelhecimento e evitar tanto a desnutrição e a fome oculta. Enquanto isso, é importante consumir menos comidas processadas e com muito açúcar.

O uso de suplementos alimentares pode ser um aliado, principalmente por apresentar todos os nutrientes que o idoso precisa. Mas o uso deve ser, obrigatoriamente, prescrito por um médio ou nutricionista. São esses os profissionais aptos a diagnosticar o problema e prescrever o produto de acordo com o perfil e necessidade de cada pessoa.

Lembre-se, sempre, que a boa nutrição é fundamental para a longevidade, resistência e qualidade de vida. Principalmente dos idosos.

 

Referências:

Ornelas APRC, Monteiro JBR, Campos MTFS. Fatores que afetam o consumo alimentar e a nutrição do idoso. Rev Nutr. 2000; 13(3): 157-165.

Sousa VMC, Guariento ME. Avaliação do idoso desnutrido. Rev Bras Clin Med. 2009; 7: 46-49.

Ferraz IS, Daneluzzi JC, Vannucchi H, Jordão Jr AA, Ricco RG, et al. Prevalência da carência de ferro e sua associação com a deficiência de vitamina A em pré-escolares. J Pediatr. 2005; 81(2): 169-174.

Genaro PD, Pinheiro MD, Szejnfeld VL, Martini LA. Dietary protein intake in elderly women: association with muscle and bone mass. Nutr Clin Pract.

Novaes MRCG, Ito MK, Arruda SF, Rodrigues P, Lisboa AQ. Suplementação de micronutrientes na senescência: implicações nos mecanismos imunológicos. Rev Nutr. 2005;18(3): 367:76.

LEIA MAIS