Os 4 estágios da Doença de Alzheimer

por Equipe Danone Nutricia 31 de agosto de 2020 5 minutes

Esquecer o nome de familiares próximos com frequência e se perder a caminho de casa são os primeiros sinais da doença, que piora ao longo dos anos

Certo dia, você se esquece de onde colocou as chaves do carro. Então isso começa a acontecer com mais frequência, mesmo que você saiba que elas ficam guardadas no mesmo local há anos. O seu humor sofre alterações e as tarefas do dia a dia começam a ficar pela metade. Esse quadro, ainda leve, pode sinalizar o início da Doença de Alzheimer.

O Alzheimer é um tipo de demência, palavra que significa a perda progressiva e persistente das funções cognitivas, como linguagem e memória, e não cognitivas, como as habilidades motoras e orais.

Portanto, a Doença de Alzheimer tende a se desenvolver lenta e gradualmente, piorando ao longo dos anos. Eventualmente, a condição afeta a maioria das áreas do cérebro, como memória, pensamento, julgamento, linguagem, resolução de problemas e até mesmo a personalidade. É por isso que muitas pessoas com Alzheimer podem se tornar apáticas, agressivas ou se isolar socialmente.

Segundo o Ministério da Saúde, a doença se instala quando o processamento de certas proteínas do sistema nervoso central começa a dar errado. Proteínas mal cortadas e tóxicas surgem nos neurônios e nos espaços que existem entre eles, causando a perda de neurônios em certas regiões do cérebro, como:

● Hipocampo, responsável por controlar a memória

● Córtex cerebral, essencial para a linguagem, raciocínio, memória, reconhecimento dos estímulos sensoriais e pensamento abstrato

Pessoas acima dos 65 anos têm mais probabilidade de apresentar o Alzheimer, e o risco aumenta conforme a pessoa envelhece. Também de acordo com o Ministério da Saúde, a expectativa de vida média dos pacientes oscila entre oito a 10 anos após o diagnóstico. Ao longo desse período, a doença se agrava progressivamente.

Os estágios do alzheimer

A Doença de Alzheimer costuma progredir em quatro principais fases, de acordo com o Ministério da Saúde e Associação Brasileira de Alzheimer:

1 - Inicial ou Leve

O primeiro estágio é marcado por alterações na memória, na personalidade e nas habilidades visuais e espaciais. Tais mudanças ainda não são suficientes para afetar significativamente a rotina de trabalho ou os relacionamentos.

As pessoas nesse estágio costumam ter lapsos de memória quando se trata de informações simples, como conversas, eventos recentes ou compromissos. Também podem ter

problemas para julgar a quantidade de tempo necessária para realizar uma tarefa do cotidiano ou para julgar corretamente o número ou a sequência necessária de etapas para completar afazeres domésticos. A capacidade de tomar decisões também pode se tornar mais difícil.

Por fim, no estágio inicial, ainda podem ocorrer problemas leves de linguagem, desmotivação, perda de interesse por atividades e hobbies e mudanças de humor, como depressão ou ansiedade.

Amigos, parentes e colegas de trabalho podem encarar essas mudanças como simples consequência da velhice. No entanto, ao notá-las, é importante procurar o médico para fazer uma avaliação e diagnóstico.

2 - Moderada

Neste estágio, as dificuldades de linguagem, assim como para realizar tarefas simples e coordenar movimento, são acentuadas. Como as limitações ficam mais graves, os impactos são mais evidentes e começam a dificultar bastante o dia a dia.

A pessoa pode ficar muito desmemoriada, especialmente quando se trata de eventos recentes e nomes de pessoas próximas. Torna-se incapaz de executar tarefas simples, como cozinhar, limpar a casa e fazer compras. Portanto, pode precisar de um cuidador para ajudá-la 24 horas por dia.

A pessoa com Alzheimer em estágio moderado também pode precisar de ajuda para a higiene básica e para sair de casa, pois corre o risco de se perder caso saia sozinha. Por fim, as mudanças de humor e comportamento se tornam mais intensas, incluindo distúrbios graves de sono, repetir a mesma pergunta várias vezes, ter dificuldades para falar e gritar com frequência. Alucinações também podem ocorrer.

3 - Grave

Na fase grave da doença, a pessoa com Alzheimer já é completamente dependente de um cuidador. Ela pode apresentar dificuldades para falar, comer, andar e incontinência urinária e fecal.

Em geral, o paciente já não reconhece parentes, amigos e objetos familiares. Não entende o que acontece ao seu redor e pode manifestar comportamentos inapropriados em público. Aos poucos, pode necessitar de uma cadeira de rodas para se locomover.

4 - Terminal

Neste caso, a pessoa com Alzheimer fica restrita ao leito. Em muitos casos, não consegue se alimentar normalmente pela boca e pode sofrer infecções recorrentes.

A progressão da doença pode variar de pessoa para pessoa e, além disso, é comum apresentar períodos de estabilidade em cada um dos estágios.

É possível prevenir ou tratar o Alzheimer?

O Alzheimer não tem cura, mas seus efeitos podem ser minimizados por um tratamento medicamentoso para tentar estabilizar o declínio cognitivo. Assim, o paciente será possivelmente capaz de realizar as tarefas diárias por mais tempo.

Para diagnosticar a doença, o médico realiza uma série de exames físicos e neurológicos para avaliar o estado mental do paciente e identificar problemas de memória, linguagem e percepção do espaço.

Apesar de não ter cura, o Alzheimer pode ser prevenido pela adoção de um estilo de vida saudável. Boa alimentação, prática de atividades físicas e exercícios mentais podem ajudar a prevenir a demência.

A alimentação deve ser completa, incluindo os principais grupos de alimentos, como frutas, verduras, grãos, proteínas, azeite de oliva. Além disso, quando o corpo se exercita, o tecido muscular libera o hormônio irisina, que entra em circulação no organismo e é capaz de melhorar a capacidade cognitiva. Por isso, a prática de exercícios físicos é importante.

Por fim, manter o cérebro funcionando é uma das melhores formas de prevenir o Alzheimer. Estudar, fazer jogos inteligentes, participar de atividades em grupo são boas práticas que ajudam a proteger o cérebro contra a degeneração natural que ocorre conforme envelhecemos.

Portanto, mantenha-se ativo em todos os sentidos e não se isole. Conviver e bater papo com amigos, parentes e pessoas que nos estimulam faz bem para corpo e mente.

 

Referências:

Ministério da Saúde. Alzheimer: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção.

Associação Brasileira de Alzheimer. Evolução da doença.

Drauzio Varella. Estágios e tratamentos da Doença de Alzheimer.

Mayo Clinic. Alzheimer’s stages: How the disease progresses.

LEIA MAIS