Criança

      5 doenças comuns na primavera entre bebês e crianças

      por Equipe Danone Nutricia

      Doenças comuns na primavera: Devido ao tempo seco e ao pólen das flores, algumas infecções podem se espalhar com mais frequência.

      A florida primavera é uma das estações mais alegres do ano. Mas, para os bebês, os meses de setembro a novembro trazem consigo a prevalência de certas doenças. Devido ao tempo seco e ao pólen das flores, algumas infecções podem se espalhar com mais frequência. Portanto, é preciso estar preparado para proteger os pequenos. Vamos descobrir quais são as doenças comuns na primavera e como proteger as crianças?

      Rinite alérgica

      Durante a primavera, quando o pólen das flores se propaga com mais facilidade, crianças geneticamente predispostas a apresentar a rinite alérgica estarão ainda mais suscetíveis. A doença crônica afeta as mucosas do nariz, causando espirros seguidos ou em crises, coriza aquosa, obstrução nasal e prurido. Alérgenos como poeira, ácaros, baratas, fungos e caspas de animais domésticos também podem caus

      A rinite alérgica comum chama atenção pela presença de sintomas oculares associados aos nasais, como olhos vermelhos, com lacrimejamento e coceira intensa. No entanto, é essencial fazer a prevenção, afastando a criança dos alérgenos e poluentes que a prejudicam. As recomendações são:

      • Manter a casa arejada e ensolarada, evitando umidades ou vazamentos;
      • Evitar carpetes, tapetes ou forrações, especialmente no quarto;
      • Evitar móveis estofados e outros objetos que acumulem pó;
      • Bichos de pelúcia devem ficar ensacados com plásticos, e não amontoados juntando pó;
      • Retirar o pó com pano úmido, evitando o uso de vassouras ou espanadores;
      • Aspirar os colchões semanalmente;
      • Colocar capas impermeáveis no colchão e travesseiro e limpá-las com pano úmido semanalmente, além de lavá-las a cada dois ou três meses;
      • Lavar as roupas de cama semanalmente;
      • Evitar cobertores de lã (prefira edredons, que devem ser lavados com frequência);
      • Evitar cortinas pesadas, longas ou com muitas camadas de pano;
      • Manter animais de estimação fora do quarto do bebê.

      Na primavera, a rinite alérgica costuma estar associadas a doenças como asma, conjutivite, sinusites e otites.

      Conjuntivite alérgica

      Assim como todas as alergias, a conjuntivite alérgica é resultado de uma reação do sistema imunológico a algum corpo estranho, produzindo uma reação inflamatória exagerada. Suas principais causas são os aeroalérgenos provenientes da poeira e de animais domésticos, como cães e gatos, além das baratas.

      Os ácaros, presentes em travesseiros e colchões, são um dos principais responsáveis por esse tipo da doença. Além disso, pólens das flores e gramíneas também podem causar conjuntivite alérgica. No Brasil, no entanto, tal causa é mais comum na região sul do país, onde as estações são bem definidas.

      A conjuntivite alérgica é caracterizada por uma membrana delicada que cobre o olho e o interior da pálpebra. Ela é incômoda e causa coceira, queimação, inchaço, lacrimejamento e fotofobia (sensibilidade à luz). Portanto, prejudica a visão.

      Geralmente, a doença está associada à rinite alérgica. A avaliação é feita pelo pediatra e, se necessário, oftalmologista. Geralmente, o tratamento é feito pelo uso de colírios. Felizmente, a conjuntivite alérgica não costuma deixar sequelas e, diferente das conjuntivites virais e bacterianas, não é transmissível. Para preveni-la, siga as dicas abaixo:

      • Use mobília simples e de fácil limpeza;
      • Encape travesseiros e colchões com tecidos impermeáveis;
      • Troque as roupas de cama semanalmente;
      • Antes de usar as roupas de cama que estavam guardadas, lave-as;
      • Evite a presença de animais no quarto onde o bebê irá dormir;
      • Controle o uso de produtos de limpeza com cheiro forte e não fume perto do bebê ou nas áreas por onde ele transita.

      Roséola

      A roséola infantil, também conhecida como exantema súbito, é uma doença que ataca principalmente na primavera. Transmitida pelas secreções respiratórias, é causada pelo herpesvírus humano tipo 6, muito contagioso.

      A doença costuma se manifestar de sete a 15 dias após o contágio, provocando febre alta, perda do apetite e irritabilidade. Provavelmente o pequeno irá começar a chorar e a se mostrar irritado. Após cerca de três dias de febre, aparece o exantema, uma erupção cutânea de coloração avermelhada que começa no tronco e se espalha pelo pescoço, rosto e membros.

      O tratamento da roséola é feita por antitérmicos, sob orientação médica. Infelizmente, não há vacina contra a doença. Para prevenir a transmissão, o bebê doente não deve entrar em contato com outras crianças.

      Asma

      Assim como a rinite alérgica e a conjuntivite, a asma é prevalente na primavera. A doença crônica é caracterizada pela inflamação das vias aéreas e suas causas não são bem definidas, mas provavelmente decorrem de uma combinação de fatores genéticos e ambientais. Durante a estação, os pólens carregados pelo vento aumenta a inflamação dos brônquios e provocam crises.

      Os principais sintomas da asma são falta de ar, dificuldade para respirar, sensação de aperto no peito, peito pesado, chiado no peito e tosse. Eles variam durante o dia e podem piorar à noite ou de madrugada. Também são comuns durante atividades físicas.

      Com a chegada da primavera, a tendência é que as crianças com a doenças sofram crises. O tratamento é feito sob orientação médica e, geralmente consiste no uso de medicamentos controlados para prevenir o aparecimento dos sintomas ou aliviá-los.

      A criança que tem asma deve evitar o contato com poeira e fumaça de cigarro, principalmente durante a primavera. Animais de estimação não deve permanecer no quarto.

      Catapora

      A catapora ou varicela é uma doença típica da primavera. A infecção viral é caracterizada pelo surgimento de erupções cutâneas que, após algumas horas, evoluem rapidamente para pústulas. Três a quatro dias após a manifestação da doença, as pústulas formam crostas. Além disso, há outros sintomas característicos, como febre moderada, mal estar, cansaço, dor de cabeça e perda de apetite.

      Para tratar a catapora, utiliza-se antitérmicos e analgésicos para controlar os sintomas. Para diminuir a coceira, é possível fazer compressas de água fria. A higiene da pele deve ser feita com bastante cuidado, usando água e sabão. As erupções não devem ser coçadas e as crostas não devem ser retiradas.

      Como a catapora é transmitida de pessoa para pessoa, a criança infectada não deve manter contato com outras crianças – principalmente as que não foram vacinas. A vacina contra a varicela é, inclusive, a melhor prevenção.

       

      Referências bibliográficas

      Sociedade Brasileira de Pediatria (“Conjutivite Alérgica”), Sociedade Brasileira de Pediatria (“Rinite Alérgica”), Universidade Federal de Minas Gerais (“Exantema súbito”), Ministério da Saúde (“Varicela/Herpes Zoster”), Ministério da Saúde (“Primavera é tempo de catapora”), Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (“Asma - Perguntas e Respostas”) 

       

       

      Leia mais

      Perguntas sobre nossos produtos?

      Caso tenha alguma dúvida sobre a Danone Nutricia ou nossos produtos, entre em contato com nossa central de atendimento!