Tudo sobre a ALV: alergia à proteína do leite de vaca

por Equipe Danone Nutricia

Quem tem APLV pode apresentar desde sintomas leves, como urticária na pele, até reações bem graves, como choque anafilático

A alergia à proteína do leite de vaca, conhecida como ALV, é a alergia alimentar mais comum durante a infância: estima-se que 2,2% das crianças são atingidas no primeiro ano de vida.

Quem é alérgico ao leite de vaca pode apresentar desde sintomas bem leves, como uma urticária na pele, até reações bem graves, como o choque anafilático (reação alérgica súbita que pode ser fatal). Diante da suspeita de ALV, o bebê deve ser levado ao pediatra para que seja feito o diagnóstico correto e, caso confirmado, já se dê início ao tratamento. 

O que é ALV

As alergias alimentares são cada vez mais comuns entre as crianças e são provocadas pela reação do organismo a alguma proteína presente no alimento. Esse nutriente é absorvido pelo intestino, mas causa reações devido à sensibilidade do organismo.

No caso da ALV, a pessoa é alérgica à proteína presente no leite e seus derivados, como queijos, manteiga, requeijão, ricota, iogurte, creme de leite, doce de leite, leite condensado e cream cheese.

O leite de vaca é o principal causador de alergias alimentares em crianças por dois motivos: é muito consumido e tem forte potencial alergênico, pois contém mais de 20 componentes protéicos.

Causas da ALV

Na maioria dos casos, os sintomas da ALV aparecem quando a criança começa a consumir leite de vaca e derivados, mas há também a possibilidade da alergia surgir mesmo em bebês nutridos exclusivamente de leite materno, por conta da alimentação da mãe. Nessas situações é recomendado que a mãe evite o consumo desses alimentos.

Como o organismo das crianças é imaturo, o contato com a proteína do leite pode causar a alergia. Mas ela também pode ser provocada por uma predisposição genética.

No início da doença, o pediatra pode sentir dificuldade de fazer um diagnóstico por conta de os sintomas serem muito similares a outros distúrbios.

Sintomas da ALV

Os sintomas podem ser imediatos e aparecer em até duas horas após a ingestão do leite de vaca. Também podem ser tardios e surgir horas ou dias após a alimentação com leite.

As principais reações imediatas são:

  • Choque anafilático
  • Urticária aguda
  • Angiodema agudo (inchaço repentino sob a pele)
  • Sibilos (ruídos semelhantes a um assobio agudo, como em quem tem asma)
  • Rinite
  • Tosse seca
  • Vômitos
  • Edema de laringe, notado por rouquidão e dificuldade para respirar
  • Asma aguda com desconforto respiratório grave

Sintomas tardios

  • Dermatite atópica (coceira e erupções na pele)
  • Diarréia crônica
  • Fezes com sangue
  • Doença do refluxo gastroesofágico
  • Constipação
  • Déficit de crescimento
  • Inflamação dos intestinos com perda de proteínas

Como identificar a ALV

O diagnóstico não é simples. Geralmente, é feito pelo histórico familiar do paciente e pelo conjunto de reações alérgicas já observadas pelos pais.

O pediatra também fará um exame físico, com atenção especial à nutrição. Ele poderá observar:

  • A idade que o bebê tinha quando apareceram os sintomas.
  • Frequência dos sintomas.
  • Sincronismo entre a ingestão e o aparecimento dos sintomas.
  • Quantidade de leite necessária para provocar os sintomas.
  • Métodos de preparação de leite.
  • Intervalo de tempo desde a última reação.
  • Evolução do crescimento da criança.
  • Detalhes da alimentação, como duração da amamentação e introdução de sólidos na dieta.

Tratamento da alergia à proteína do leite de vaca

A criança que tem APLV deve ter excluídos da sua dieta todos os alimentos que contenham a proteína do leite de vaca. A alergia não é causada pela quantidade ingerida, e sim pela proteína em si. Portanto, até uma pequena quantidade pode causar a reação alérgica.

No caso dos bebês em aleitamento materno, o pediatra deve indicar a dieta restritiva à mãe, para que a amamentação não seja interrompida.

Muitas vezes, o bebê volta a tolerar a proteína conforme seu organismo se desenvolve. Cerca de 80% das crianças têm a alergia resolvida entre três e cinco anos de idade. Mesmo que a alergia seja resolvida, a reintrodução de alimentos que contenham a proteína do leite deve ser supervisionada pelo médico.

Diferenças entre ALV e intolerância à lactose

A alergia ao leite de vaca é uma reação do sistema imunológico a uma proteína alimentar específica e os sintomas podem aparecer não apenas pela ingestão do leite, mas também pelo contato ou cheiro do alimento. Até por isso costuma-se indicar que os utensílios de cozinha usados para preparar as refeições do alérgico sejam separados dos outros.

Já as intolerâncias não envolvem o sistema imunológico. Na intolerância à lactose, a pessoa não produz a lactase, enzima responsável por quebrar o açúcar encontrado no leite e em produtos lácteos (lactose). Como resultado, vai sentir algum desconforto gástrico apenas quando ingerir a bebida ou seus derivados, dependendo da quantidade.

A intolerância à lactose causa sintomas como náuseas, gases, inchaço e diarreia. Embora a intolerância à lactose possa gerar grandes desconfortos, não apresenta perigo como pode ocorrer com a ALV.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Sociedade Brasileira de Pediatria (“Filhos: da gravidez aos 2 anos de idade”)
Revista Médica de Minas Gerais (“Suplemento do consenso sobre alergia alimentar: 2007”)
Revista Brasileira de Imunologia e Imunopatologia (“Guia prático de diagnóstico e tratamento da Alergia às Proteínas do Leite de Vaca mediada pela imunoglobulina E”)
Jornal de Pediatria da SBP (“Food allergy: a practical update from the gastroenterological viewpoint”)
Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo (“Alergia à proteína do leite de vaca - Milena Ribeiro Macitelli”)
Australian Society of Clinical Immunology and Allergy (“Cow’s milk dairy allergy”)
Food Allergy Research & Education (“Milk Allergy”) )

Leia mais

Perguntas sobre nossos produtos?

Caso tenha alguma dúvida sobre a Danone Nutricia ou nossos produtos, entre em contato com nossa central de atendimento!