Gravidez
      Como conversar com o seu bebê durante a gravidez

      Como conversar com o seu bebê durante a gravidez

      por Equipe Danone Baby 28 de outubro de 2019 5 minutes

      Você pode se sentir esquisita conversando com o bebê no útero, mas a prática estabelece as bases para a criação de vínculo e desenvolvimento precoce da linguagem

      Já é provado que conversar com o bebê no terceiro trimestre de gravidez acalma o pequeno. Agora, novas pesquisas incríveis também mostram que bebês podem se lembrar do que ouviam quando ainda estavam na barriga.

      Mas o que dizer? Que tom de voz usar? Quando conversar com ele? 

      Padrões de palavras

      Pesquisas mostram que ouvir a voz da mãe relaxa o bebê e diminui a frequência cardíaca, estabelecendo as bases para o vínculo e o desenvolvimento precoce da linguagem. Surpreendentemente, cientistas também descobriram que bebês respondem positivamente a padrões de palavras, como rimas infantis, que eles podem se lembrar de ter ouvido antes.

      Aprendendo a escutar

      A audição se desenvolve em uma sequência definida durante a gravidez. A cóclea (responsável pela tradução das ondas sonoras) está formada na décima quinta semana de gravidez e totalmente funcional na vigésima, mas fica conectada ao cérebro mais tarde, entre as semanas 24 e 30 da gestação.

      Portanto, embora o som literalmente entre pelos ouvidos, o cérebro do bebê não o ouve até o terceiro trimestre. Enquanto isso, ele já está aprendendo sobre a vida dentro do útero por meio do cheiro, toque e movimento. Conversando com o seu barrigão, você também pode ajudar o seu bebê a aprender sobre o mundo exterior.

      A primeira coisa que o seu bebê provavelmente ouvirá é o funcionamento interno do seu corpo: o batimento cardíaco, a respiração e os gorgolejos da digestão dos alimentos. Mas o som mais importante para ele será a sua voz, considerada o som mais intenso que se pode ouvir no útero.

      A partir das 24 semanas de gestação, se os sons forem altos o suficiente ou próximos o suficiente, os bebês podem reagir à música, ruídos repentinos e conhecer as vozes de outros membros da família. Mas é a voz da mamãe a mais amada, e também a responsável por confortá-los durante todo o início da vida.    

      Memórias antes de nascer

      Ao medir os batimentos cardíacos fetais, descobriu-se que os bebês não nascidos reagem de maneira diferente à exposição à mesma história ou rima infantil por várias semanas, em comparação com quando ouvem uma história pela primeira vez.

      A frequência cardíaca diminui quando ouvem padrões familiares de palavras, indicando que isso os relaxa. Além disso, eles se lembram de ouvir as palavras, mesmo que haja um intervalo de algumas semanas entre as leituras. Eles também podem continuar a reconhecê-las por um curto período como recém-nascidos. Assim, se você ler uma história de ninar ou rimas regulares para o seu barrigão, você pode criar as primeiras lembranças do seu bebê. Não é incrível?

      Este é um material informativo. Consulte sempre o médico e/ou nutricionista.

      Bibliografia:

      1. Graven SN, Browne JV. Auditory development in the foetus and infant. Newborn Infant Nurs Rev 2008;8(4):186-93.

      2. Abrams RM, Gerdhart KJ. The Fetus: The acoustic environment and physiological responses of the fetus. J Perinatol 2000;S20:30-5.

      3. Fifer WP, Moon CM. The role of mother’s voice in the organization of brain function in the newborn. Acta Paediatr Suppl 1994;397:86-93.

      4. DeCasper AJ et al. Fetal reactions to recurrent maternal speech. Infant Behav Dev 1994;17:159-64.

      5. Marques AH, Bjorke-Monsen AL, Teixeira AL, Silverman MN. Maternal stress, nutrition and physical activity: impact on immune function, CNS development and psychopathology. Brain Research. 2015;1617:28–46. 

      6. Vianna P, Bauer ME, Dornfeld D, Chies JAB. Distress conditions during pregnancy may lead to pre-eclampsia by increasing cortisol levels and altering lymphocyte sensitivity to glucocorticosteroids. Medical Hypotheses. 2011;77:188–91.

       

      LEIA MAIS