Gravidez

      Música estimula desenvolvimento cerebral do bebê

      por Equipe Danone Baby 23 de outubro de 2019 5 minutes

      Relaxar é bom para mãe e feto; reserve um tempo para vê-lo reagir às canções

      Cientistas provaram que, já no terceiro trimestre de gestação, o bebê pode reconhecer a voz de sua mãe, sua língua nativa e até começar a se lembrar de padrões de palavras e rimas. Faz sentido, então, que a música também tenha algum impacto.

      Mas será que ouvir música clássica na gravidez realmente torna o bebê ainda mais inteligente?

      O “efeito Mozart”

      Apesar da falta de evidências de que a música clássica cria bebês mais inteligentes, estudos mostraram que a música pode ter um papel a desempenhar no desenvolvimento do cérebro antes do nascimento.

      Pesquisas europeias feitas em 2013, por exemplo, mostraram que a exposição de um bebê no útero à música teve um efeito a longo prazo em seu cérebro. Eles descobriram que os recém-nascidos podiam se lembrar de uma versão de 'Brilha, brilha estrelinha' e responderam de maneira diferente quando versões alternativas foram reproduzidas. Essas memórias criadas antes do nascimento duraram até os quatro meses de idade.

      Outros estudos mostraram que os bebês nascem com a capacidade inata de detectar batidas musicais. Além disso, algumas pesquisas sugerem que a música suave pode incentivar bebês prematuros a se alimentar e melhorar seus sinais vitais, como frequência cardíaca e níveis de saturação de oxigênio.

      Por fim, pesquisas de 2014 mostram que as mulheres grávidas são mais sensíveis à música do que aquelas que não estão grávidas, exibindo um aumento na pressão arterial em resposta.

      Atenção à segurança

      No terceiro trimestre, seu bebê definitivamente poderá ouvir a música que você escuta. Enquanto sons suaves, como canções de ninar, são projetados para serem calmantes, os bebês no útero se assustam quando escutam ruídos muito altos ou irregulares. Muito barulho pode ser estressante.

      Portanto, verifique se o volume não está muito alto e se a sua escolha de música é bastante melódica - talvez espere um tempinho antes de apresentar seu bebê às suas faixas favoritas de thrash metal!

      Música na gravidez: veja algumas dicas

      ● Por que não tocar música em casa e ver se o bebê se manifesta ? Lembre-se de manter o volume baixo!

      ● Relaxar é bom para os dois, portanto, reserve um tempo para levantar e ouvir músicas que o deixem feliz.

      ● Se você gosta de assistir música ao vivo, vá em frente. Seu bebê é protegido dos ruídos mais altos pelas camadas que os cercam. A exposição a ruídos prolongados e extremos, no entanto, pode ser prejudicial.

      ● Cantar músicas para o seu barrigão é uma maneira adorável de se relacionar, e seu bebê apreciará sua voz.

      Este é um material informativo sobre música e desenvolvimento do feto. Consulte sempre o médico.

      Bibliografia:

      1. Voegtline KM et al. Near-term fetal response to maternal spoken voice Infant Behavior & Development 2013;36:526–533

      2. Kisilevsky BS et al. Fetal sensitivity to properties of maternal speech and language. Infant Behav Dev 2008;32:59-71.

      3. Swaminathan N. Babies Exposed to classical music end up smarter [Online]. 2007. Available at: http://www.scientificamerican.com/article/fact-or-fiction-babies-ex/ [Accessed: April 2016].

      4. Jahn M et al. Music devices for the fetus? An evaluation of pregnancy music belts. J Perinat Med. 2015 Aug 13. pii: [Epub ahead of print].

      5. Partanen E et al. Learning-induced neural plasticity of speech processing before birth. Proc Natl Acad Sci USA 2013;110:15145-5.

      6. Fifer WP and Moon CM. The role of mother’s voice in the organization of brain function in the newborn Acta Paediatr Suppl 1994; 397:86–93

      7. Partanen E et al. Prenatal music exposure induces long-term neural effects. PLoS One 2013;8(10):e78946

       

      LEIA MAIS