Gravidez

      Gorduras do bem devem fazer parte da alimentação da grávida

      por Equipe Danone Baby 28 de outubro de 2019 5 minutes

      O cansaço na gestação é consequência da ação de hormônios e dos preparativos do corpo da mulher para garantir o desenvolvimento do bebê

      As gorduras são muitas vezes consideradas prejudiciais à saúde. Mas quando se trata do crescimento e desenvolvimento do bebê durante a gravidez, certas gorduras essenciais têm um papel essencial a desempenhar. 

      Gorduras: as boas e as más

      Muitas vezes somos aconselhados a limitar nossa ingestão de alimentos gordurosos - conselhos que podem nos levar a acreditar que todas as gorduras são ruins para nossa saúde. 

      Embora seja verdade que algumas gorduras trazem riscos à saúde, elas também são importantes fontes de energia e ajudam o organismo a absorver certos nutrientes. Além disso, fornecem ácidos graxos essenciais que o corpo não pode produzir, mas que são vitais para o desenvolvimento do bebê durante a gravidez.

      Existem três tipos de gorduras: gorduras saturadas, gorduras trans e gorduras insaturadas:

      • Gorduras saturadas - encontradas em carnes gordurosas, laticínios integrais e biscoitos, bolos e doces. Estas podem causar um acúmulo de colesterol ao longo do tempo. Manter baixa a ingestão de gorduras saturadas pode reduzir o risco de doenças cardíacas e o ganho de peso em excesso.
      • Gorduras trans - presentes em baixos níveis em carnes e laticínios, também são encontradas em óleos vegetais hidrogenados e podem elevar os níveis de colesterol.
      • Gorduras insaturadas - abrange as gorduras monoinsaturadas e poliinsaturadas que são essenciais para o crescimento do bebê. Incluem certos ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa, alguns dos quais desempenham um papel importante no desenvolvimento do cérebro, olhos e sistema nervoso.

      Os diferentes tipos de gorduras insaturadas

       

      As gorduras insaturadas são uma parte importante de uma dieta balanceada bem equilibrada. Além de serem uma boa fonte de energia, as gorduras insaturadas agem como um transportador saudável para as vitaminas lipossolúveis que são necessárias para o desenvolvimento do bebê, particularmente:

      • Vitamina D - regula o cálcio e o fosfato, que ajudam a manter ossos e dentes saudáveis;
      • Vitamina E - ajuda a construir as membranas celulares e, portanto, a estrutura das células;
      • Vitamina K - ajuda na coagulação do sangue e também contribui para a saúde óssea.

      Existem dois grupos de gorduras insaturadas: monoinsaturadas e poliinsaturadas. Gorduras monoinsaturadas são encontradas no azeite de oliva, abacate, nozes, óleos de nozes e manteigas de nozes. Gorduras poliinsaturadas são encontradas no óleo de girassol, Pode ser encontrada nos seguintes alimentos: óleo de soja, girassol, canola, milho; em peixes como o atum, sardinha e em frutos do mar; nozes e sementes de abóbora. O ômega 3 é um tipo particularmente benéfico de gordura poliinsaturada que desempenha papel importante no desenvolvimento do sistema nervoso e visual do bebê.

      Gorduras essenciais para um cérebro saudável

      A gordura é a principal fonte de energia do feto desde a concepção até o nascimento. Também contribui para a constituição do cérebro do pequeno, formado por cerca de 60% de gordura.

      Além de fornecer energia para o desenvolvimento do bebê no útero, estudos mostram que uma ingestão adequada de gorduras saudáveis ​​durante a gravidez está ligada a um menor risco de obesidade infantil e desenvolvimento cognitivo normal em seus primeiros anos de vida.

      Gorduras essenciais: de quanto necessito na gestação?

       

      Idealmente, não mais do que 35% da ingestão diária de calorias deve vir das gorduras. Muitas pessoas consomem dentro desse limite, mas há uma tendência a consumir muitas gorduras saturadas e não o suficiente dos tipos mais saudáveis.

      Atenção: Embora os peixes oleosos sejam uma excelente fonte de Ômega 3, indica-se  limitar sua ingestão a duas porções por semana durante a gravidez, devido aos níveis potencialmente altos de mercúrio que podem conter.

      Bibliografia:

      1. NHS UK. Fat – the facts

      2. Gibson RA et al. Conversion of linoleic acid and alpha‐linolenic acid to long‐chain polyunsaturated fatty acids (LCPUFAs), with a focus on pregnancy, lactation and the first 2 years of life. Matern Child Nutr 2011;7(2):17-26.

      3. British Nutrition Foundation. Fat

      4. NHS UK. Vitamins and minerals – vitamin D

      5. NHS UK. Vitamins and minerals – vitamin E 

      6. NHS UK. Vitamins and minerals – vitamin K 

      7. British Nutrition Foundation. Good fats and bad fats explained

      8. Chen JY. Essential fatty acids and human brain. Acta Neurol Taiwan 2009;18(4):231-41.

      9. Donahue SMA et al. Prenatal fatty acid status and child adiposity at age 3 y: results from a US pregnancy cohort. Am J Clin Nutr 2011;93(4):780-788.

      10. Gibson RA et al. Conversion of linoleic acid and alpha‐linolenic acid to long‐chain polyunsaturated fatty acids (LCPUFAs), with a focus on pregnancy, lactation and the first 2 years of life. Matern Child Nutr 2011;7(2):17-26.

      11. FSA. FSA Nutrient and Food Based Guidelines for UK Institutions


      12. NHS UK. Fish and shellfish