Gravidez

      Memória na gravidez: é verdade que as gestantes ficam esquecidas?

      por Equipe Danone Nutricia 26 de Janeiro de 2018 5 minutos

      Pesquisa recente divulgada no periódico Nature Neuroscience comprovou que a perda de memória é instantânea durante a gravidez e o pós-parto, e que engravidar ajuda a tornar o cérebro mais jovem e especializado no sentimento de empatia. 

      A maioria das mamães, sejam de primeira viagem ou não, acham que os sintomas da gravidez se resumem somente à parte física de seus corpos. Entretanto, as mudanças morfológicas visíveis, como o barrigão, são apenas um reflexo de todas as transformações que o corpo de uma grávida sofre desde o momento da concepção do óvulo pelo espermatozóide.

      Prova disso é o recente estudo publicado em um dos mais renomados periódicos científicos de todo o mundo, o Nature Neuroscience, que apontou que o cérebro humano daquelas que estão gerando um bebê diminui consideravelmente, ou seja, a massa cinzenta se comprime durante a gravidez. Mas antes que a maioria das mães se desespere, essa notícia não é necessariamente negativa. Aliás, muito pelo contrário.

      aplv-1-1-807x350.jpg

      As áreas do córtex frontal e temporal e linha mediana sofrem um movimento de redução, mas justificam a máxima de que tamanho não é documento: um cérebro menor pode ser mais especializado em determinadas funções, e é exatamente isso que acontece com as gestantes. Essas regiões estão diretamente ligadas ao sentimento de empatia. Ou seja, o corpo humano é tão magicamente perfeito que se incumbe de realizar essas modificações para facilitar a criação de vínculo entre mãe e filho, com o objetivo de se especializar para o exercício da maternidade.

      O estudo foi realizado com 20 participantes, na Universidade holandesa de Leiden. Sinapses fracas, como são chamadas os locais dos neurônios onde acontecem as transmissões de impulsos nervosos, cederam espaço para novas formulações mais eficientes e especializadas. As transformações foram notadas por exames de ressonância magnética e ficaram visíveis durante o parto, além de se estenderem dois anos após terem dado à luz. Ainda não foi apresentada nenhuma mudança no campo cognitivo, derrubando o tabu de que a gravidez afeta negativamente a capacidade cognitiva das mães.

      A memória durante a gravidez

      De acordo com estudos ministrados na Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, as gestantes podem apresentar falhas de memória durante a gestação e logo após o parto. Segundo Liisa Galea, uma das neurologistas à frente das pesquisas, a justificativa está no fato de que a gravidez e a maternidade são eventos dramáticos, mas não no sentido negativo da palavra. É um tempo de transformações profundas, o que acarretam, invariavelmente, consequências duradouras para o cérebro humano.

      Ainda de acordo com essa pesquisa, a perda de memória é temporária, Num estudo em animais, as ratinhas que tiveram filhos se saíram melhor em testes simples de aprendizagem e de memorização, quando comparadas àquelas que não tiveram. Portanto, os hormônios secretados durante a gestação, além de preparar o corpo para gerar uma vida, são capazes de proteger um dos órgãos mais importantes do corpo humano: o cérebro.

       

      REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

      Nature Neuroscience - “Pregnancy leads to long-lasting changes in human brain structure”.

      Enfermeira da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro - (UFRJ) - “Mudanças na vida e no corpo: Vivências diante da gravidez na perspectiva afetiva dos pais”.

      Leia mais

      Perguntas sobre nossos produtos?

      Caso tenha alguma dúvida sobre a Danone Nutricia ou nossos produtos, entre em contato com nossa central de atendimento!